Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 720 – Conversa com Ganime
Café Brasil 720 – Conversa com Ganime
O Deputado Federal pelo Rio de Janeiro Paulo Ganime, ...

Ver mais

Café Brasil 719 – Licença poética
Café Brasil 719 – Licença poética
Quem me acompanha há muitos anos sabe que tive um amigo ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Olha, este é outro daqueles programas de sonho, ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 201 – Marco Piquini
LíderCast 201 – Marco Piquini
Ex-executivo da Fiat, um profissional de comunicação, ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

Da arte de ser pessimista
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Previsões sempre fascinaram o ser humano. Seja mediante leitura de cartas ou palmas das mãos, seja tentando adivinhar qual será o clima amanhã, sempre surge alguém alegando ter o poder de antever ...

Ver mais

5 desafios para os negócios nessa crise da COVID-19
Michel Torres
“Nada é permanente, exceto a mudança.” Heráclito de Éfeso À medida que a crise da COVID-19 continua impactando a todos, a pergunta sobre “quando vai passar?” vai dando lugar a “o que ...

Ver mais

A atualidade de Malthus
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A atualidade de Thomas Malthus “O famoso contraste que Malthus estabeleceu entre as duas espécies de progressões – o aumento geométrico da população e o crescimento aritmético da produção de ...

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Cafezinho 286 – A ação não-ativa
Cafezinho 286 – A ação não-ativa
Conformados com a burocracia e morrendo de medo de ...

Ver mais

Cafezinho 285 – O Buraco Negro
Cafezinho 285 – O Buraco Negro
A única resposta é: “O senhor tem de aguardar”.

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?

Por que Bolsonaro exagera?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o presidente se esforça tanto ao atravessar a rua só para propositalmente escorregar na casca de banana?

Bolsonaro alega que suas maiores preocupações, desde a campanha eleitoral, são a família, os bons costumes, o civismo, patriotismo, a moral. No entanto, se dirige a autoridades das quais discorda (no Brasil ou no exterior) de forma chula, belicosa e absolutamente desnecessária. Mesmo se estivesse totalmente correto em suas invectivas – e não está – a educação, os bons modos, são absolutamente imprescindíveis ao presidente de um País da relevância do nosso. Grosserias não trazem nada de bom e nada capitalizam, nem coadunam o resgate dos bons costumes propalados no período eleitoral. Mas ele pensa diferente.

À guisa de explicação, disse ser “assim mesmo”, e que palavrões “escapam”. Pode ser, mas então as falas em público são absolutamente contra-indicadas. Pode soltar os cachorros e todas as pragas do mundo encerrado em seu gabinete ou dentro de casa. Do púlpito presidencial, não. Ser presidente eleito, democraticamente, não dá a ninguém carta branca para usar o maior cargo do País para defender suas ideias particulares. O cargo é de dirigente, não de dono.

Como já disse o político americano John Foster Dulles (1888/1959), países não tem amigos, tem interesses. E como diz meu querido amigo Spencer, sinceridade em excesso acaba virando falta de educação. Os dois estão certíssimos. Agrade e pode conquistar alguma coisa, mesmo que difícil. Reaja a tudo com berros e chutes, e atrairá muitos inimigos gratuitos. Seja sempre firme, mas nunca mal educado. Simples.

Pior: Bolsonaro imita (ou tenta imitar) Donald Trump sem o cacife daquele, presidente do país mais rico e poderoso do planeta. Essa estratégia polemista e ao mesmo tempo infantil tem tudo para dar errado. Se isso causa problemas aos EUA, avaliem pra gente, pobres fuleiros que ruminamos abaixo do Equador. Bater boca com Emmanuel Macron, que além de imbecil completo e arrogante é, infelizmente, presidente da França, é um desastre internacional. Tomar essa discussão como ofensa pessoal é um super desastre internacional. O mesmo ocorreu com a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, em dimensão muito pior. Além de tudo, o presidente ainda levanta a bola para a lulada cortar. Simplesmente desastroso. Até aliados de Bolsonaro avaliam que o estrago não pode continuar nesse ritmo.

Claro; antes que chovam as pedras, ninguém está defendendo o lulismo. Também é mais do que hora de entender que Bolsonaro não é o contrário de Lula. Muitas vezes é somente um avesso, feio e ruim de “vestir”.

Não há que se arrepender do voto dado a ele. Embora erre em algumas coisas, como nas grosserias gratuitas e inúteis via discursos e tuitadas, Bolsonaro está colocando a economia nos eixos, combatendo a miséria, arrumando a Previdência e fazendo muitas outras mudanças essenciais. Diferente de Lula e Dilma, que misturavam estupidez oceânica e desonestidade interplanetária a discursos melífluos, agradáveis, enganando a todos com mentiras bem educadas; assim, apesar dos governos desastrosos e incrivelmente desonestos, passavam a imagem de “bonzinhos”. As grosserias da dupla lulista eram piores e ainda mais toscas, mas sempre disfarçadas num bom-mocismo tão falso quanto calhorda ao extremo.

Bolsonaro não sabe disfarçar. Mas deveria. Faz parte da vida, do comércio mundial, da estratégia, da diplomacia, do bem-viver, do puro e simples relacionamento humano. Seja no micro ou no macro. Xingar a ONU ou seus comissários (mesmo os cafajestes, e sim, eles existem e lá estão lutando por interesses podres, como o lulismo) não leva a nada. E por favor, não chamem isso de hipocrisia; é necessidade. Ataques pessoais feitos a Macron e Bachelet, como se estivessem em briga de bar, prejudicam muito o Brasil.

Frase atribuída ao escritor irlandês Oscar Wilde (1854/1900): “Se todo mundo soubesse o que todo mundo pensa, ninguém mais falaria com ninguém”. Pois é.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes