Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Uma certa ideia de Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Uma certa ideia de Brasil Excelente retrospectiva de 2003 a 2018 “Precisamos ter uma ideia de como nos vemos como país, de nosso passado, nosso presente e nosso futuro.” Pedro Malan Este não é, ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Posso gravar a sua aula, professor?

Posso gravar a sua aula, professor?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Amigos do Café Brasil, tenho visto recentemente uma grande reação à sugestão de uma professora chamada Ana Caroline Campagnolo, eleita deputada estadual em SC, a que os alunos gravem as aulas de seus mestres.

O contexto dessa sugestão é a acusação de estudantes a professores que sustentam posições político-partidárias em classe – e que, em alguns casos, chegam até a intimidar os alunos que pensam de modo diferente.

Honestamente, não compreendo a reação à proposta da professora deputada.

Amigos, acredito que um mestre não deveria lecionar senão o estado da questão do objeto da lição – seja nas disciplinas científicas, seja nas humanidades. Reconheço que isso é trabalhoso: é preciso, ao preparar cada aula, percorrer a bibliografia atualizada sobre o assunto, o que leva tempo. Felizmente, hoje em dia temos acesso fácil a periódicos do mundo inteiro nos quais podemos encontrar artigos de qualidade para nos subsidiar na preparação de nossa matéria.

“Ah, mas e a questão política? A educação também é política! As aulas devem ser políticas!”

Claro que sim! Toda a educação é política; afinal, ela ocorre dentro da pólis e visa à formação da civilização em cada educando. Ou seja: ensinar matemática, língua portuguesa, química ou filosofia é desenvolver a civilização em cada estudante por meio de um esforço que somente ocorre no interior de uma pólis. A educação emancipa o ser humano. Ela sempre é uma atividade política.

Mas afirmar a natureza política da educação não é o mesmo que sustentar que ela deva ser partidária. A educação não deve ter partido; ou melhor: o partido da educação deve ser a civilização, o que inclui todos os partidos políticos.

Nesse sentido, o mestre que defende um partido – de direita ou de esquerda, tanto faz – em sala de aula não age politicamente; pelo contrário, rebaixa-se à condição de propagandista, de proselitista, de panfletário.

Por exemplo: como um professor de humanidades deveria abordar 1964? Como golpe, revolução, contra-revolução? Ora, há bibliografia acadêmica a defender cada uma dessas perspectivas. Em vez de simplesmente ensinar, como verdade inconteste, a sua posição preferida, o mestre deveria expor as três posições, com os seus respectivos argumentos favoráveis e contrários, e apontar as referências para o aprofundamento do estudo. Ao fim, cada aluno poderia chegar a uma conclusão independente. Isso é estimular a razão comunicativa; é contribuir para a reconstrução da civilização em cada jovem; é tornar verdadeiramente política uma aula. E por que não possibilitar a gravação de uma aula com esse teor?

De fato, há três razões pelas quais defendo o direito de qualquer aluno registrar o conteúdo de uma aula:

(1) Um mestre não deveria afirmar, em suas aulas, nada que não possa subscrever publicamente. Se algum conteúdo de sua aula não é pedagógico, então esse conteúdo deveria ser eliminado, pois o tempo em classe é escasso e valioso. E se o discurso do professor é, de algum modo, inadequado para ser gravado, então simplesmente não deve ser dito.

(2) Uma aula, por sua própria natureza acadêmica, não é privada em absoluto. Ela é – ou deveria ser – a exposição do estado de um problema científico (seja das ciências naturais, seja das ciências humanas). Portanto, como toda a ciência, uma aula deve ser potencialmente publicizada para toda a comunidade.

(3) Ademais, a formação de um professor é um esforço de toda a sociedade – que lhe custeou ou financiou a universidade (que nunca é “gratuita”), que lhe concedeu bolsas e auxílios, que eventualmente lhe paga o salário. O fruto de seu trabalho, portanto, pertence também à própria sociedade. E como pagar essa dívida? Trabalhando de graça? Não: possibilitando a publicização de seu trabalho.

Haveria, contudo, uma razão legítima para a recusa do mestre em se deixar gravar? Sim: caso vivêssemos em estado de exceção, em que o estudo de determinados autores ou a discussão acadêmica de certas idéias pudesse causar perseguição política. Todavia, a despeito do que alguns sustentam, eu não vejo, atualmente, isso acontecendo em nosso país. Tenhamos o senso das proporções: a demissão (justa ou injusta) de um professor que faz campanha política em classe não é equivalente à prisão de um professor por causa do tema de sua pesquisa científica.

Enfim, amigos: as razões que considero legítimas para a gravação do trabalho de um mestre em classe talvez não sejam exatamente aquelas da professora Ana Caroline Campagnolo. Mas, do mesmo modo que ela, considero injusta a reação à sua sugestão, que, para mim, nada mais é do que a confirmação de um direito efetivo de todos os estudantes.

* * *

A propósito: sou professor no ensino médio desde 2001 e no ensino superior desde 2013. Meus alunos são testemunhas: não somente autorizo, mas encorajo a gravação de todas as minhas aulas. Afinal, o que eu deveria temer?

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche