Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar

Precisamos reaprender a olhar

Mauro Segura - Transformação -

O artigo “Sentados e observando” de Jonas Furtado, editor-chefe do Meio & Mensagem, diz que tem momentos na vida em que precisamos “sentar e observar”, não tomar nenhuma decisão da qual possamos nos arrepender depois. E conta uma história pessoal que marcou a sua vida.

Ele conta a experiência vivida com o irmão em dias de surf na praia, quando o irmão agia completamente diferente dele. Ao chegar na praia com o irmão, Jonas já queria se jogar direto no mar, sem se preocupar em montar uma estratégia prévia para “pegar” as ondas. Por outro lado, o irmão queria sentar e observar, sem pressa. Segundo o irmão, a observação era necessária para uma análise adequada das variáveis que influenciam um dia de surf: quanto tempo havia entre as séries de ondas; qual onda era a maior e qual a melhor da série; qual o fluxo e a força da correnteza; qual o melhor caminho para varar a arrebentação, levando o menor número possível de vagalhões na cabeça.

Num dia típico, quanto mais desafiadoras eram as condições das ondas, mais ficavam observando. Jonas olhava tudo distraído. Na maiorias das vezes, olhava e não via nada. Tudo que aquele contemplar propiciava a ele era ansiedade e, em dias de grandes ressacas, medo. Quando finalmente entravam na água, o irmão partia a largas braçadas pelo caminho rumo ao fundo, já planejado pela sua severa observação, enquanto Jonas agonizava em meio à zona de impacto com sua ausência de estratégia. E quando Jonas finalmente conseguia atravessar a arrebentação, o seu esforço tinha sido tamanho que ele chegava no pico com os níveis de energia e concentração tão baixos que minavam suas chances de sucesso. E então, quando a ação para valer realmente começava, muitas vezes só restava a ele sentar na prancha e olhar.

Obviamente que o Jonas dos dias de hoje já não é mais aquele camarada afoito descrito no artigo, mas certamente, como todos nós, ele segue aprimorando o seu “timing”. Essa história contada por ele é riquíssima e tem um incrível paralelo com a atualidade. Vivemos uma sociedade em que a velocidade parece ser determinante para tudo, na vida pessoal e, principalmente, na vida profissional.

Senso de urgência, fazer mais rápido, partir na frente, tudo isso nos tira o tempo de “sentar e observar”.  Muitas vezes fazemos planos de ação sem ter o conhecimento e o embasamento adequados, porque o mais importante é fazer o navio partir do porto, mesmo que as vezes não tenhamos muita certeza dos mares que vamos enfrentar e a clareza de onde queremos chegar. Estar minimamente na direção certa parece já ser suficiente, depois a gente corrige o curso. Metodologias como scrum e agile parecem referendar essa nova forma de trabalho.“Sentar e observar” provoca ansiedade, as vezes até a sensação de perda de tempo.

Em uma época em que as empresas montam salas de reunião sem cadeiras para que tudo seja mais rápido, focando na produtividade e agilidade, parece que “sentar” já começa a ser questionado. E o que dizer do “observar”? Esse fator “contemplação” parece ser ainda mais difícil. E tudo fica pior quando você consegue tempo para olhar, mas não consegue ver ou aprender nada.

Há muitos anos, bem no início da minha carreira, entrei numa empresa fabril onde o meu chefe tinha “cabeça branca”. Era um senhor muito experiente, afável e generoso. Lembro que, no primeiro dia de trabalho, ele me recebeu muito bem, apesar da minha ansiedade natural em começar logo a fazer alguma coisa, de colocar a mão na massa imediatamente. Entrei na sala dele, esperando receber uma tarefa ou serviço específico. Tenho a recordação clara dele olhando para mim, divertindo-se com a minha impetuosidade.

Ele falou algo mais ou menos assim: “Mauro, não fique ansioso. Passe os seus dois primeiros dias olhando como funciona a fábrica. Encontre um lugar para sentar e observar a produção. Veja a movimentação dos funcionários, o deslocamento dos carrinhos de peças e o que desejar. Pegue um caderno e anote tudo que achar interessante. O que funciona bem e o que não funciona. Também anote dúvidas e perguntas. No terceiro dia venha ao escritório dos desenhistas projetistas e faça a mesma coisa. No quarto dia vem falar comigo para me contar o que aprendeu”.

Confesso que duas coisas me incomodaram. A primeira foi não ter clareza do que ele queria. A segunda é que meus novos colegas de trabalho pudessem me ver como uma espécie de espião.

O resultado daquela experiência foi interessante. Nenhum dos colegas se sentiu espionado. Passei os dias anotando páginas e páginas das coisas que vi. Fiz desenhos, anotei o número de vezes que determinados funcionários iam de um lado para o outro, a distância que eles caminhavam para ir ao bebedouro, os motivos das paradas na linha de produção, etc. Aquela lista com dezenas de anotações se transformou num conversa de algumas horas com meu chefe, que mais tarde contribuíram no preparo de alguns planos de ação de mudanças de processos, redistribuição de tarefas e até dos espaços de circulação de pessoas e alimentação. O chefe tomou vantagem de pegar um cara novo como eu, sem nenhum conhecimento, vício ou relação pessoal dentro da empresa. Estou certo que levei para ele pontos e questões que ninguém dentro da empresa pensaria em colocar, até mesmo ele, simplesmente porque todos ali não conseguiam sair de “dentro da caixa” para observá-la de fora.

Essa foi uma experiência que carreguei para a minha vida. Toda vez que assumo uma nova tarefa ou responsabilidade, trato de controlar a minha ansiedade natural de partir imediatamente para ações e “mostrar serviço”. Não é fácil lidar com essa ansiedade, mas aprendi a dosar os meus impulsos. As vezes, em meu dia a dia, me sinto como naquele dia da fábrica. Fico sentado observando tudo ao meu redor, mais vendo do que sendo visto, mais ouvindo do que falando, tentando entender o vento, as ondas e os surfistas ao meu redor. Obrigado, Jonas.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura