Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

683 – O peixe
683 – O peixe
E aí, hein? Dar o peixe ou ensinar a pescar? Será que ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
Rodrigo Galvão assumiu aos 35 anos de idade a posição ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 214 – Entropia 2
Cafezinho 214 – Entropia 2
Entropia precisa de manutenção, de consertar o que é ...

Ver mais

Cafezinho 213 – Entropia
Cafezinho 213 – Entropia
Encontrar e consertar uma goteira ou uma trinca é ...

Ver mais

Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Na República das Banalidades, o que não é visto e nem ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

Resumindo meu artigo anterior

Resumindo meu artigo anterior

Jota Fagner - Origens do Brasil -

A proposta de Antonio Gramsci era ambiciosa, ocupar os espaços de produção e disseminação de conteúdo. Universidades, jornais, púlpitos, emissoras de rádio, etc.

Sua ideia, no entanto, não era de tudo original. Vários pensadores já haviam percebido a importância desses espaços para o controle da opinião pública. No Brasil, muito antes de Gramsci ser amplamente conhecido, o jornalista Júlio de Mesquita Filho já propunha a criação de uma universidade que servisse de instrumento para conservar a hegemonia da classe dominante. Ele mesmo, sendo representante dessa classe, achava o branco superior ao negro, achava que a República brasileira não deveria ter acontecido – em sua opinião, melhor seria continuarmos no regime monárquico – e era do seu interesse manter a plebe longe das decisões que norteavam o País.

Repito aqui sua justificativa para ter criado a Universidade de São Paulo (USP):

Vencidos pelas armas, sabíamos perfeitamente que só pela ciência e pela perseverança no esforço voltaríamos a exercer a hegemonia que durante longas décadas desfrutáramos no seio da Federação. Paulista até a medula, herdáramos da nossa ascendência bandeirante o gôsto pelos planos arrojados e a paciência necessária à execução dos grandes empreendimentos. Ora, que maior monumento poderíamos erguer aos que haviam consentido no sacrifício supremo para preservar contra o vandalismo que acabava de aviltar a obra de nossos maiores, das bandeiras à independência e da Regência à República, do que a Universidade? Atribuíamos à incapacidade dos que se haviam apossado dos destinos da Nação os erros sem número que nos levaram, com a fatalidade das leis incoercíveis, da proclamação da República à revolução de 30 e, desta, ao levante constitucionalista. Para não faltar ao compromisso que havíamos assumido com o grande movimento, lançamo-nos à tarefa que, não fora essa epopéia com que São Paulo reassumiu o seu papel histórico no quadro da Federação, jamais lograríamos tornar uma realidade. E ela aí está. Não quiseram tal qual a ideamos. Nem por isso, entretanto, estamos certos, deixou o decreto de 25 de janeiro de 1934 de assinalar nos fatos da Nacionalidade o maior acontecimento cultural da sua história (MESQUITA FILHO, J., 1969, p.198 – 199).

 

Em resumo, o que ele diz é: já que não foi possível vencer pela força, tentamos pelos meios culturais. Isso é muito Antonio Gramsci, não é verdade? Mas a criação da USP é de 1934. A primeira menção escrita a Gramsci só aconteceria um ano depois. Não querendo desmerecer a genialidade do articulista sardo, mas parece que ele estava combatendo fogo com fogo. É claro que ele aperfeiçoou o processo, deu certo refinamento, mas a ideia central já era utilizada por aqueles aos quais ele combatia.

Exponho tudo isso para colocar em perspectiva essa história. Gramsci estava combatendo o fascismo. Não digo que o comunismo fosse muito melhor, mas era a opção que ele conhecia.

Se publiquei aqui um denso e longo artigo em formato acadêmico (ver Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural), não o fiz por questões narcísicas. Queria apenas demonstrar o quanto essas questões são complexas.

Alguns podem argumentar que eu deveria ter dado exemplos de oposição na Itália daquele período, em vez de buscar uma referência brasileira. Mas a oposição italiana era o fascismo, como eu acabei de mencionar. Não acho que eu precise explicar o quanto esse regime poderia ser perigoso.

O caso do Mesquita Filho é diferente. Ele foi uma figura importante no cenário nacional. Criou a USP, combateu na Revolução de 1932, foi preso e exilado duas vezes, teve uma universidade batizada com seu nome – a UNESP. Em suma, é uma espécie de herói nacional. No entanto, algumas de suas ideias são extremamente questionáveis.

Nem sempre as explicações rápidas e sucintas dão conta de abranger a complexidade social. Sei que muitos vão me acusar de ser ideólogo do comunismo, mas isso só prova o nível da incompreensão.

José Fagner Alves Santos

 

Referência

MESQUISTA FILHO, Julio de. Um esboço de autobiografia. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 13 jul. 1969, p.9-10.

Ver Todos os artigos de Jota Fagner