Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Uma certa ideia de Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Uma certa ideia de Brasil Excelente retrospectiva de 2003 a 2018 “Precisamos ter uma ideia de como nos vemos como país, de nosso passado, nosso presente e nosso futuro.” Pedro Malan Este não é, ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin

Sempre, sempre Godwin

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os nazistas tende a 100%.”

                        Segundo as hostes vermelhas que infestam a internet, qualquer um que não siga Lula da Silva como seu mestre máximo, o messias demiurgo, o timoneiro do comunismo moreno, é automaticamente carimbado, rotulado, classificado, confirmado e sentenciado como nazista de carteirinha, sem direito a explicações ou recurso, este instrumento tão ao gosto do presidiário mais notório do país.

A coisa é tão simples quanto abrangente: Se o indivíduo votar em qualquer candidato que não seja bafejado por Lula (no bom sentido, pois no mau o cheiro de cachaça deve ser nauseante), é nazista dos mais sádicos. Ponto final. Não é fantástico? Se o candidato não for lulista… é nazista graduado na Gestapo ou nas SS.

Impressionante como a lulada abusa da Lei de Godwin de uma forma piorada; eles nem se dão ao trabalho de argumentar ou explicar como e porque chegaram a essa conclusão. É nazista e ponto. Não sabem definir nazismo ou situá-lo na História mundial, mas isso não significa nada para os impolutos donos da verdade lulista. Magister dixit, como se dizia em latim; o Mestre disse, e acabou; não são necessárias maiores explicações.

O comportamento infantil dessa turba na internet tem causas bastante simples: A primeira é que Hitler e sua gente são (ou foram, como queira), com toda razão, o demônio encarnado, e ninguém nega tais fatos. Some-se a isso o fato do anticomunismo ferrenho do líder nazista e está servido o prato pronto para a lulada. Não importa que a URSS do ídolo comunista Stalin foi sócia e aliada desses monstros de 1939 a 1941, quando dividiram a Polônia, entre outros países, destroçando populações inteiras conjuntamente, numa máquina de moer carne digna de Satã. Também não importa que o próprio Stalin, entre outros genocidas comunistas como Mao Tsé-Tung, Pol Pot, Fidel Castro, Nicolae Ceausescu tenham trucidado muito mais gente que qualquer guerra, cataclisma ou pandemia que tenha se abatido sobre a Humanidade. Afinal, segundo os camaradas, bandidos são os outros, numa releitura imbecil on line de Jean-Paul Sartre. A História foi (é) escrita e “ensinada” em grande parte por adeptos dessa seita de missa negra com tons vermelhos, e ai de quem discordar: É nazista na certa! Daí, temos que Hitler e sua turma são, corretamente, vistos como o horror e a lulada & satélites, automaticamente, anjos de candura. O raciocínio é tão raso que uma formiga atravessaria para o outro lado com água pelas canelas, como diria o grande anticomunista Nélson Rodrigues. Tudo é perdoável se feito em nome da vermelhidão, camaradas. Até matar Celso Daniel.

O lulismo elegeu um inexistente “nazismo” como seu inimigo capital não porque seja uma ideologia podre, completamente errada, assassina; serve sim como contrário, como antípoda, para fazer crer aos desavisados que Lula e sua gangue são santos puros e probos. O nazismo inexiste no Brasil, isso é fato, exceção feita a uma meia dúzia de idiotas que assim se intitulam. Embora se diga contra, a numerosa e gritona extrema esquerda opta por táticas cridas pelo ministro da propaganda do 3º Reich hitlerista, Paul Joseph Goebbels, tal como o golpezinho de repetir uma mentira mil vezes até que ela se torne uma “verdade”. Exemplos? Os delírios sobre Lula condenado sem provas ou sobre Bolsonaro matando todo mundo, ou a volta da ditadura.

O mesmo se dá com o vocábulo “fascista”; a lulada nem ao menos sabe o que é (assim agem crendo ser parte de seu monopólio da razão), onde se originou ou qual é seu nicho histórico, mas digita a palavra para ofender qualquer um que os contrarie minimamente. Agem como fascistas e acusam os outros exatamente disso. Incrível. Seguem pari passu o decálogo de Lenin, camaradas!

O mais hilariante nessa jecaria digital é chamarem Jair Bolsonaro de nazista. Seria o primeiro nazista do mundo a ter apoio entusiástico da nação mais antinazi do Universo: Israel, cujo povo contabiliza 6 milhões deles exterminados pelo nazismo. Os lulistas diriam, à guisa de justificativa calhorda, que Israel hoje é nazista – e ficaria mais uma vez confirmada a Lei de Godwin, por seu próprio enunciado, axiomaticamente.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes