Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O chamado da tribo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O chamado da tribo Grandes pensadores para o nosso tempo “O liberalismo é inseparável do sistema democrático como regime civil de poderes independentes, liberdades públicas, pluralismo político, ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Você tem a força. Mas antes de colocá-la nas grandes ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Terra de gente séria, sim, senhor!

Terra de gente séria, sim, senhor!

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

O que se faz quando um rei e sua rainha vêm ao Brasil para os Jogos do Rio?
Abrem-se alas para Suas Majestades automaticamente?
Não.
A República tem soberania e compromissos maiores com o coletivo.
Somos diplomaticamente abertos, de paz, mas o país é guiado por regras sérias, nem sempre modificáveis.
Então, o que se passou momentos antes da abertura das Olimpíadas é o que se pode chamar de gente séria a serviço do Brasil.
Nada além disso.
Conto a seguir.
Excêntricos ou com desejos turísticos inusitados, o rei e a rainha da Bélgica queriam porque queriam ir à favela do Morro dos Macacos, no Rio.
Imagine o aparato que precisaria ser montado para garantir a segurança do casal e sua comitiva, diante da realidade carioca (que também é brasileira) e sob os Jogos Olímpicos com maior risco de atentados (por causa da realidade mundial) que já tivemos na história?
Desviar efetivos, mudar planos, atender a condições especiais em situações extremas, tudo de última hora, são elementos de um pesadelo para a segurança de qualquer lugar do mundo.
Se o Brasil um dia foi por demais condescendente com pedidos de autoridades estrangeiras -se é que foi, insisto -, não o é mais.
Por profissionalismo extremado, postura, competência, discernimento e autoridade nacional, de comprometimento com o coletivo, o general Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, disse não aos assessores dos reis belgas, mesmo sob o risco do incidente diplomático. E não parece ter ouvido pedido de “jeitinho” brasileiro pra atender os belgas ilustres de nenhum superior no governo. Sua decisão de especialista e autoridade prevaleceu.
Regras são regras e não se deve curvar-se às excentricidades nem de estrangeiros nem de autoridades locais. O Brasil também é assim, sério.
Planejamento e compromisso precisam ser seguidos.
Parabéns, general.

Ps : o meu post acima é baseado em notícia publicada na coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo. Leia o extrato do jornal a seguir:

A rainha Matilde, da Bélgica, mantinha conversa animada com o primeiro-ministro da Itália. Mais cedo, ela e o marido, o rei Filipe, tinham dado enorme dor de cabeça à segurança dos jogos.

*

Eles queriam porque queriam visitar o Morro dos Macacos, no Rio. A diplomacia belga ameaçou criar um incidente diplomático. “Eu vou desviar câmeras de vigilância, efetivos, só porque o rei quer ir no morro?”, questionava o general Sérgio Etchegoyen, da Segurança Institucional. Suas majestades, enfim, se curvaram à dura realidade.”

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto