Iscas Intelectuais
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil no Top 10 Podbean
Café Brasil no Top 10 Podbean
O Café Brasil está entre os Top 10 numa das maiores ...

Ver mais

O Irlandês
O Irlandês
O Irlandês é um PUTA filme, para ser degustado. Se você ...

Ver mais

700 – Girl Power
700 – Girl Power
Bem, você sabe que sempre que chegamos num programa ...

Ver mais

699- Um brasileiro
699- Um brasileiro
Como sabemos que muitos ouvintes do Café Brasil não ...

Ver mais

698 – A Mente Moralista
698 – A Mente Moralista
Somos criaturas profundamente intuitivas cujas ...

Ver mais

697 – O isentão
697 – O isentão
Quando você não tem político de estimação é muito bom ...

Ver mais

LíderCast 183 – Antonio Mamede
LíderCast 183 – Antonio Mamede
Ex-executivo de grandes empresas, hoje consultor e ...

Ver mais

LíderCast 182 – Alexis Fontaine
LíderCast 182 – Alexis Fontaine
Segunda participação do Deputado Federal do partido ...

Ver mais

LíderCast 181 – Christian Gurtner
LíderCast 181 – Christian Gurtner
Christian Gurtner – O homem que leva a gente para ...

Ver mais

LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
Luciano Pires: Bom dia, boa tarde, boa noite. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A harpa elétrica
Chiquinho Rodrigues
Valdenir era um cara que acreditava piamente em reencarnação. Mas não era só isso… Acreditava também em vidas passadas, ufos e astrologia. Flertava com o candomblé, o budismo e era também ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Classificação dos Termos (parte 9)
Alexandre Gomes
Continuando os resumos depois de um belo fim de ano, vou continuar detalhando mais sobre os o que são os termos e suas variedades. Perceba que isso é muito mais uma base de compreensão lógica das ...

Ver mais

Primeiras impressões de 2020
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Primeiras impressões de 2020 “A economia compreende todas as atividades do país, mas nenhuma atividade do país compreende a economia.” Millôr Fernandes O ano está apenas começando, mas algumas ...

Ver mais

Lendas urbanas volume um
Chiquinho Rodrigues
Ademar e Ademir eram gêmeos siameses isquiópagos. Gêmeos siameses xifópagos (E não XiPófagos como alguns entendem) são aqueles unidos por um segmento físico. A nomenclatura provém de xifóide que ...

Ver mais

Cafezinho 247 – Compartilhe!
Cafezinho 247 – Compartilhe!
Sobre o hábito de compartilhar aquilo que vale a pena.

Ver mais

Cafezinho 246 – Setecentos
Cafezinho 246 – Setecentos
São 74 minutos de puro deleite.

Ver mais

Cafezinho 245 – Como censurar o Porta dos Fundos
Cafezinho 245 – Como censurar o Porta dos Fundos
Democracia é a liberdade de dizer “não”, mesmo que você ...

Ver mais

Cafezinho 244 – A bomba
Cafezinho 244 – A bomba
Os mais bobinhos vão acreditar na intenção que a ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)

Alexandre Gomes -

Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos:

  1. DO TEMPO: no curso do tempo, vários significados foram impostos à palavra. E essa ambiguidade pode ser tanto pelo som, como pela grafia. Por exemplo: road e rode tem pronúncia idênticas para quem ouve, mas cada uma tem um significado, e nasceram em períodos diferentes do tempo, pois o substantivo “road” é anterior ao verbo “rode”. Mesmo não sendo linguista, basta observar o vocabulário de uma criança evoluindo. As conjugações verbais não nascem espontaneamente!
  1. DA NATUREZA DO SÍMBOLO: desta natureza brotam as três imposições de uma palavra e as duas intenções de um termo. (irei explicar todos, tenha paciência guria!)
  1. DA NATUREZA DO FANTASMA: pois é daqui que a palavra é originalmente um substituto – do FANTASMA.

Detalhando melhor os três casos acima, com exemplos, temos:

  1. MUDANÇA NO TEMPO: Em 1936, o termo “QUINTA COLUNA” passou a também significar “grupo de traidores trabalhando dentro do território do inimigo”. Esse novo significado começou, por conta do que o General Emílio Mola declarou que iria certamente capturar Madri porque tinha uma coluna a mais, além das quatro que cercavam a cidade. Veja, se ele tivesse apenas três colunas, o novo termo que usaríamos até hoje seria “Quarta Coluna”. Outro exemplo: “marcha” é um termo que designa um passo medido e regular; muito comum entre militares. A mesma palavra (marcha), passou também a designar um tipo específico de composição musical, criada justamente para acompanhar o MARCHAR DOS SOLDADOS!
  1. DA NATUREZA DO SÍMBOLO: veja, o propósito último das palavras é TRANSMITIR A OUTREM IDEIAS ACERCA DA REALIDADE. Ocorre que entre a realidade como tal e como esta é apreendida e expressa, existem PASSOS INTERMEDIÁRIOS que unem esses dois pontos distintos, que são:

a criação de um fantasma;

– a criação de um percepto;

– a criação de um conceito.

Note que o uso COMUM das palavras é para DESCREVER A REALIDADE COMO SE VÊ, este é o uso da palavra na PRIMEIRA INTENÇÃO: PREDICATIVA. A intenção predicativa é quando uma PALAVRA é dita sobre outra PALAVRA, em outras palavras: quando uma palavra se refere à outra. Perceba também que o uso predicativo é bem parecido com o que aprendemos no colégio, sobre estrutura de orações: sujeito + predicado. A PRIMEIRA INTENÇÃO é quando a palavra (predicado) se refere à realidade, ou algum aspecto da mesma (o sujeito).

LEMBRANDO QUE ainda há outros usos da palavra. Uma palavra pode ser usada para se referir a SI MESMA! Parece estranho para você? Talvez seja apenas incomum, mas esse uso REFLEXIVO é a SEGUNDA INTENÇÃO. Veja abaixo uns exemplos do uso nas Primeira e Segunda intenções:

Juliana gosta de um HOMEM.

Nesta frase, “homem” é um exemplo de homem real, que existe como tal. Logo, a palavra é usa da PRIMEIRA INTENÇÃO, a PREDICATIVA. Uma vez que, além de representar um aspecto da realidade, retrata também sua relação com outro indivíduo: Juliana.

HOMEM tem CINCO LETRAS.

Note que aqui, a palavra “homem” deixou de tratar da REALIDADE e se voltou para ela mesma. Ou seja, na frase acima o que vemos é a SEGUNDA INTENÇÃO, a REFLEXIVA. Você compreende que, neste exemplo, a palavra “homem” não se refere a um indivíduo, ou a algum elemento do mundo real? O que está sendo dito na frase é EXCLUSIVAMENTE referente ao conjunto de letras (em um idioma específico) que formam a palavra HOMEM.

Destaquei o detalhe do idioma para que você não se confunda e pense que o significado tem alguma importância quando o foco está na SEGUNDA INTENÇÃO. Perceba o seguinte; uma tradução correta para o inglês da frase acima é: HOMEM have five letters –  e NUNCA (!) “MAN have five letters”, ou ainda, o tradutor maroto espertamente escreveria “MAN have three letters”.

Para concluir, se compararmos as duas frases:

– Juliana gosta de um HOMEM, e

– HOMEM tem cinco letras.

É CLARO QUE ESTAMOS FALANDO DE duas coisas diferentes. Ou você acha que Juliana gosta de cinco letras?

Em síntese, temos o seguinte: por conta da sua NATUREZA, as palavras (símbolos) nos permitem expor nossos PENSAMENTOS, nossas EMOÇÕES e nossas VONTADES, e podem ser utilizadas de três formas ou IMPOSIÇÕES.

– PRIMEIRA IMPOSIÇÃO: é a habitual. É a imposição PREDICATIVA. Nesta imposição, a palavra serve como REFERÊNCIA A ALGO DO MUNDO REAL – seja esse algo tangível ou intangível (aquilo que pode se tocar ou não).

– IMPOSIÇÃO ZERO: é o uso REFLEXIVO que falei antes desta síntese (note que eu regredi para zero, porque a palavra deixou de “apontar” para algo e se voltou para si mesmo. para reforçar essa ideia de retorno, a contagem regrediu para zero). Retornando…  o uso REFLEXIVO é quando o objetivo é comunicar/expressar algo sobre a palavra em si – sem relação alguma com seu significado.

– SEGUNDA IMPOSIÇÃO: é também o uso REFLEXIVO, referindo-se a palavra em si, mas é MAIS ESPECÍFICA nesta imposição, pois a referência é tanto para o significado sensível (1ª. IMPOSIÇÃO) quanto ao significado da palavra livre do que representa (IMPOSIÇÃO ZERO). Este USO ESPECÍFICO está confinado à GRAMÁTICA. Afinal, não se pode classificar uma palavra pela Gramática. Exemplos, certo?

Pular é um verbo;

Bolo é o objeto direto de “ele está comendo o bolo”.

E agora, condensando em um exemplo só, as TRÊS IMPOSIÇÕES:

Friamente é um advérbio, e advérbio tem oito letras.

Na frase acima, “friamente” está na SEGUNDA IMPOSIÇÃO: a gramatical reflexiva, advérbio está na PRIMEIRA IMPOSIÇÃO – a habitual, pois está descrevendo um objeto da realidade (a palavra “friamente”). Por último, a segunda vez que a palavra adverbio aparece é na IMPOSIÇÃO ZERO, pois está sendo REFLEXIVA simples, pois contar as letras não é muito gramatical, não é? Ou seja, o aspecto REFLEXIVO é uma simples notação, uma vez que não importa o SIGNIFICADO da palavra, nem o IDIOMA em que está escrito. Só importa a quantidade de CARACTERES utilizados.

Lá no começo eu falei que a NATUREZA DA PALAVRA, ou SÍMBOLO, tem três imposições e duas intenções. A síntese das imposições está logo acima, vamos agora para uma melhor compreensão das DUAS INTENÇÕES juntando com o que foi dito sobre as TRÊS IMPOSIÇÕES:

PRIMEIRA INTENÇÃO: corresponde exatamente a uma palavra na PRIMEIRA IMPOSIÇÃO. Ou seja, é o uso habitual (comum) da palavra.

SEGUNDA INTENÇÃO: é semelhante ao uso REFLEXIVO da IMPOSIÇÃO ZERO. Porém, é limitada a referir-se a si mesmo como um termo ou conceito. Por isso, a SEGUNDA INTENÇÃO se restringe apenas à LÓGICA.

Agora… voltando lá para o começo deste tema, onde aponto que a escolha das PALAVRAS e seu SIGNIFICADO é arbitrário – ou seja, alguém, em algum momento, decidiu nomear algo. a partir de então AQUELA PALAVRA PASSOU A TER SIGNIFICADO. SENTIDO! Não se poderia mais tirar isso daquela palavra. Mas isso acontece. Através da ignorância e repetição. Exagero?

Então repita “jaca” umas sete vezes e perceba que estará ouvindo dizer “cajá”.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes