Iscas Intelectuais
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

674 – Balde de Caranguejos
674 – Balde de Caranguejos
O termo “mentalidade de caranguejo” é utilizado em ...

Ver mais

673 – LíderCast 12
673 – LíderCast 12
Mais uma temporada do LíderCast, agora é a 12. Mais um ...

Ver mais

672 – A mão invisível do mercado
672 – A mão invisível do mercado
Você certamente já ouviu falar de livre mercado, aquele ...

Ver mais

Café Brasil 671 – Antifrágil
Café Brasil 671 – Antifrágil
Um dos livros sumarizados no Café Brasil Premium foi o ...

Ver mais

LíderCast 161 – Murilo Gun
LíderCast 161 – Murilo Gun
Criador, inovador, pensador, provocador. Uma figura ...

Ver mais

LíderCast 160 – Parker Treacy
LíderCast 160 – Parker Treacy
Norte americano do setor automotivo ­financeiro, ...

Ver mais

LíderCast 159 – Paulo Ganime
LíderCast 159 – Paulo Ganime
Jovem deputado federal pelo partido Novo, engenheiro e ...

Ver mais

LíderCast 158 – Georgios Frangulis
LíderCast 158 – Georgios Frangulis
Fundador e CEO da Oakberry Açaí Bows, que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumos das aulas do COF e temas diversos
Eduardo Ferrari
Resumos de aulas do COF
Bom dia, Boa Tarde, Boa noite! Vida longa ao Café Brasil e à Confraria! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao Luciano Pires pelo espaço e a oportunidade de publicar alguns dos meus resumos. ...

Ver mais

Não se sai do campo de concentração de ônibus com ar condicionado….
Carlos Nepomuceno
LIVE COMPLETA.

Ver mais

Velhos amigos
Chiquinho Rodrigues
Como é que pôde um simples pedaço de pau, preso em seis cordas, mexer tanto  com a vida de uma pessoa?

Ver mais

A análise do discurso histórico do Paulo Guedes na XP
Carlos Nepomuceno
LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157462927933631

Ver mais

Cafezinho 195 – No mundo da lua
Cafezinho 195 – No mundo da lua
Colocar o homem na lua custou mais de 20 bilhões de ...

Ver mais

Cafezinho 194 – O banco
Cafezinho 194 – O banco
E aquele monte de dinheiro à minha disposição? Esqueça. ...

Ver mais

Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Quer saber? Antes de ser do meretrício, as zonas eram ...

Ver mais

Cafezinho 192 – A arte de comer picanha
Cafezinho 192 – A arte de comer picanha
Antes de dizer “não comi e não gostei” ou “não leio ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)

Alexandre Gomes -

Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos:

  1. DO TEMPO: no curso do tempo, vários significados foram impostos à palavra. E essa ambiguidade pode ser tanto pelo som, como pela grafia. Por exemplo: road e rode tem pronúncia idênticas para quem ouve, mas cada uma tem um significado, e nasceram em períodos diferentes do tempo, pois o substantivo “road” é anterior ao verbo “rode”. Mesmo não sendo linguista, basta observar o vocabulário de uma criança evoluindo. As conjugações verbais não nascem espontaneamente!
  1. DA NATUREZA DO SÍMBOLO: desta natureza brotam as três imposições de uma palavra e as duas intenções de um termo. (irei explicar todos, tenha paciência guria!)
  1. DA NATUREZA DO FANTASMA: pois é daqui que a palavra é originalmente um substituto – do FANTASMA.

Detalhando melhor os três casos acima, com exemplos, temos:

  1. MUDANÇA NO TEMPO: Em 1936, o termo “QUINTA COLUNA” passou a também significar “grupo de traidores trabalhando dentro do território do inimigo”. Esse novo significado começou, por conta do que o General Emílio Mola declarou que iria certamente capturar Madri porque tinha uma coluna a mais, além das quatro que cercavam a cidade. Veja, se ele tivesse apenas três colunas, o novo termo que usaríamos até hoje seria “Quarta Coluna”. Outro exemplo: “marcha” é um termo que designa um passo medido e regular; muito comum entre militares. A mesma palavra (marcha), passou também a designar um tipo específico de composição musical, criada justamente para acompanhar o MARCHAR DOS SOLDADOS!
  1. DA NATUREZA DO SÍMBOLO: veja, o propósito último das palavras é TRANSMITIR A OUTREM IDEIAS ACERCA DA REALIDADE. Ocorre que entre a realidade como tal e como esta é apreendida e expressa, existem PASSOS INTERMEDIÁRIOS que unem esses dois pontos distintos, que são:

a criação de um fantasma;

– a criação de um percepto;

– a criação de um conceito.

Note que o uso COMUM das palavras é para DESCREVER A REALIDADE COMO SE VÊ, este é o uso da palavra na PRIMEIRA INTENÇÃO: PREDICATIVA. A intenção predicativa é quando uma PALAVRA é dita sobre outra PALAVRA, em outras palavras: quando uma palavra se refere à outra. Perceba também que o uso predicativo é bem parecido com o que aprendemos no colégio, sobre estrutura de orações: sujeito + predicado. A PRIMEIRA INTENÇÃO é quando a palavra (predicado) se refere à realidade, ou algum aspecto da mesma (o sujeito).

LEMBRANDO QUE ainda há outros usos da palavra. Uma palavra pode ser usada para se referir a SI MESMA! Parece estranho para você? Talvez seja apenas incomum, mas esse uso REFLEXIVO é a SEGUNDA INTENÇÃO. Veja abaixo uns exemplos do uso nas Primeira e Segunda intenções:

Juliana gosta de um HOMEM.

Nesta frase, “homem” é um exemplo de homem real, que existe como tal. Logo, a palavra é usa da PRIMEIRA INTENÇÃO, a PREDICATIVA. Uma vez que, além de representar um aspecto da realidade, retrata também sua relação com outro indivíduo: Juliana.

HOMEM tem CINCO LETRAS.

Note que aqui, a palavra “homem” deixou de tratar da REALIDADE e se voltou para ela mesma. Ou seja, na frase acima o que vemos é a SEGUNDA INTENÇÃO, a REFLEXIVA. Você compreende que, neste exemplo, a palavra “homem” não se refere a um indivíduo, ou a algum elemento do mundo real? O que está sendo dito na frase é EXCLUSIVAMENTE referente ao conjunto de letras (em um idioma específico) que formam a palavra HOMEM.

Destaquei o detalhe do idioma para que você não se confunda e pense que o significado tem alguma importância quando o foco está na SEGUNDA INTENÇÃO. Perceba o seguinte; uma tradução correta para o inglês da frase acima é: HOMEM have five letters –  e NUNCA (!) “MAN have five letters”, ou ainda, o tradutor maroto espertamente escreveria “MAN have three letters”.

Para concluir, se compararmos as duas frases:

– Juliana gosta de um HOMEM, e

– HOMEM tem cinco letras.

É CLARO QUE ESTAMOS FALANDO DE duas coisas diferentes. Ou você acha que Juliana gosta de cinco letras?

Em síntese, temos o seguinte: por conta da sua NATUREZA, as palavras (símbolos) nos permitem expor nossos PENSAMENTOS, nossas EMOÇÕES e nossas VONTADES, e podem ser utilizadas de três formas ou IMPOSIÇÕES.

– PRIMEIRA IMPOSIÇÃO: é a habitual. É a imposição PREDICATIVA. Nesta imposição, a palavra serve como REFERÊNCIA A ALGO DO MUNDO REAL – seja esse algo tangível ou intangível (aquilo que pode se tocar ou não).

– IMPOSIÇÃO ZERO: é o uso REFLEXIVO que falei antes desta síntese (note que eu regredi para zero, porque a palavra deixou de “apontar” para algo e se voltou para si mesmo. para reforçar essa ideia de retorno, a contagem regrediu para zero). Retornando…  o uso REFLEXIVO é quando o objetivo é comunicar/expressar algo sobre a palavra em si – sem relação alguma com seu significado.

– SEGUNDA IMPOSIÇÃO: é também o uso REFLEXIVO, referindo-se a palavra em si, mas é MAIS ESPECÍFICA nesta imposição, pois a referência é tanto para o significado sensível (1ª. IMPOSIÇÃO) quanto ao significado da palavra livre do que representa (IMPOSIÇÃO ZERO). Este USO ESPECÍFICO está confinado à GRAMÁTICA. Afinal, não se pode classificar uma palavra pela Gramática. Exemplos, certo?

Pular é um verbo;

Bolo é o objeto direto de “ele está comendo o bolo”.

E agora, condensando em um exemplo só, as TRÊS IMPOSIÇÕES:

Friamente é um advérbio, e advérbio tem oito letras.

Na frase acima, “friamente” está na SEGUNDA IMPOSIÇÃO: a gramatical reflexiva, advérbio está na PRIMEIRA IMPOSIÇÃO – a habitual, pois está descrevendo um objeto da realidade (a palavra “friamente”). Por último, a segunda vez que a palavra adverbio aparece é na IMPOSIÇÃO ZERO, pois está sendo REFLEXIVA simples, pois contar as letras não é muito gramatical, não é? Ou seja, o aspecto REFLEXIVO é uma simples notação, uma vez que não importa o SIGNIFICADO da palavra, nem o IDIOMA em que está escrito. Só importa a quantidade de CARACTERES utilizados.

Lá no começo eu falei que a NATUREZA DA PALAVRA, ou SÍMBOLO, tem três imposições e duas intenções. A síntese das imposições está logo acima, vamos agora para uma melhor compreensão das DUAS INTENÇÕES juntando com o que foi dito sobre as TRÊS IMPOSIÇÕES:

PRIMEIRA INTENÇÃO: corresponde exatamente a uma palavra na PRIMEIRA IMPOSIÇÃO. Ou seja, é o uso habitual (comum) da palavra.

SEGUNDA INTENÇÃO: é semelhante ao uso REFLEXIVO da IMPOSIÇÃO ZERO. Porém, é limitada a referir-se a si mesmo como um termo ou conceito. Por isso, a SEGUNDA INTENÇÃO se restringe apenas à LÓGICA.

Agora… voltando lá para o começo deste tema, onde aponto que a escolha das PALAVRAS e seu SIGNIFICADO é arbitrário – ou seja, alguém, em algum momento, decidiu nomear algo. a partir de então AQUELA PALAVRA PASSOU A TER SIGNIFICADO. SENTIDO! Não se poderia mais tirar isso daquela palavra. Mas isso acontece. Através da ignorância e repetição. Exagero?

Então repita “jaca” umas sete vezes e perceba que estará ouvindo dizer “cajá”.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes