Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)

Alexandre Gomes -

 

Eu prometo que esse segundo capítulo vai acabar! Acho que terá umas 12 partes…

Mas vamos lá! De volta à diversão.

É claro que a linguagem tem aspectos LÓGICOS e PSICOLÓGICOS, veja só:

  1. A DIMENSÃO LÓGICA: a palavra é vista sob seu conteúdo de PENSAMENTO. Em RETÓRICA, chamamos essa visão de DENOTAÇÃO da PALAVRA;
  2. A DIMENSÃO PSICOLÓGICA: a palavra é vista sob seu conteúdo EMOCIONAL. O que classificamos, de acordo com a RETÓRICA, de CONOTAÇÃO da PALAVRA.

Perceba, casa e lar são duas palavras que demonstram facilmente essa diferença entre lógico e psicológico. Em uma representação gráfica, você veria assim:

Casa:  A_________B

Lar: A___________B______X

Ora, Lar é algo muito mais significativo, pois envolve sentimentos e memórias pessoais que a palavra Casa não traz.

Pois bem! Então, de que serve mesmo entender que lar tem mais emoção que casa? Afinal, são sinônimos, certo? Em uma redação, ou texto, eu (e você também) alterno os termos para não ser repetitivo e tals… fomos assim ensinados pela professora de Redação, oras!

Então…

Não é para ser sempre assim. O que foi apresentado a você é apenas UMA PARTE das lições de RETÓRICA.

Quando o texto a ser produzido é um documento legal, técnico, científico, ou até FILOSÓFICO (há quem ache que Filosofia é algo abstrato e subjetivo – e isso é um ERRO COLOSSAL). A repetição de termos e palavras é desejável para estes tipos de texto! Uma vez que o objetivo de tais escritos é SER CLARO E PRECISO, evitando interpretações diferentes e ambiguidades por conta de palavras semelhantes, mas diferentes.

Seguindo nesse pensamento, digo: as PALAVRAS ABSTRATAS são normalmente mais claras e mais precisas que as palavras concretas. Pois conceitos ABSTRATOS (fantasmas e essências, por exemplo) são mais uniformes na MENTE do LEITOR do que um conhecimento sensível – lembra do cão que você imaginou segurar em suas mãos, umas lições atrás? Pois é… eu tenho certeza que a raça do cão que você imaginou não era a mesma que eu imaginei.

Porém, se você estiver escrevendo uma história, poema – ou um texto literário qualquer -, então a situação se INVERTE. Palavras CONCRETAS são MELHORES que as ABSTRATAS, pois elas são mais comuns e RICAS EM IMAGENS na mente do leitor.

Note que a DIMENSÃO PSICOLÓGICA das palavras está no conteúdo EMOCIONAL que a linguagem tem. Veja dois exemplos disso:

  1. Mulheres são orientadas a reagir a ataques violentos gritando “Fogo!” e não “Socorro!”, pois uma mulher pedindo socorro pode ser entendido por quem ouve como uma briga de casal – e ninguém quer se meter nisso.
  2. Se um amigo seu vai pisar em uma poça d´água (ou cocô de cachorro), você pode dizer “Cuidado!” – e provavelmente irá vê-lo pisar na bosta, ou molhar o pé mesmo assim. Mas se você disser: “olha o dinheiro!” apontando para o chão, com certeza evitará o incômodo.

Entendeu que usamos a força emocional das palavras para ATRAIR A ATENÇÃO?

Pois é… é exatamente com essas emoções que o Marketing trabalha todos os dias.

Outro fator PSICOLÓGICO da LINGUAGEM é o som. Um dos vários encantos (e prova de habilidade de quem escreve) de um poema é o USO DO SOM CORRETO das palavras. Por isso os poetas usam palavras incomuns. Não é apenas por conta da técnica métrica do poema, ou frescura do poeta. É para fixar a emoção pretendida na mente/alma do leitor.

Agora vamos treinar o INGLÊS e espiar o USO DO SOM em um poema: Silver, de Walter de la Mare.

Slowly, silently, now the moon

                Walks the night in her silver shoons

                (…)

                One by one the casements catch

Her beams beneath the silvery thatch…”

Uma tradução porca seria assim:

Calmamente, silenciosamente, agora a lua

                Caminha pela noite em seus calçados prata

                (…)

                Um por um os caixilhos se encaixam

                Seus raios abaixo da argêntea palha…”

Outro exemplo de como o SOM ou a ESCOLHA DE PALAVRAS podem facilmente alterar a impressão que se tem do orador é o seu estilo de discurso.

Perceba, se eu digo: “o céu é azul” – não chamarei muito a sua atenção. Agora, se eu digo: “o domo abobado do céu é cerúleo”; você possivelmente vai me achar um babaca arrogante… quer dizer, vai achar que eu sou mais arrogante ainda.

O que importa mesmo é o seguinte: a escolha de uma forma adequada de discurso (ou se preferir, jeito de falar) irá chamar mais atenção que outra forma. Um bom orador sabe que impressão causar e como chamar a atenção para o que diz – ou o que querem que pensem que está sendo dito.

Alguns políticos entendem isso muito bem o poder da retórica. Um truque bacana que prende a atenção quase de maneira inconsciente é a pronúncia diferente de uma palavra. Ciro Gomes e Leonel Brizola não pronunciam a palavra “interesse(s)” como eu e você. Eles diziam “interesse(s)”. Não acredita em mim? Então escute!

Ciro: aos 40-42’’ (segundos): https://www.youtube.com/watch?v=co7fSxLg5o0

Brizola: (ele fala umas duas vezes em menos de 10’’ (segundos): https://www.youtube.com/watch?v=FNiqSgFtbSA

P.S. : o pior foi caçar um vídeo com o Ciro falando abobrinha até encontrar ele falando a palavra.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes