s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 301 – O coronismo
Leitura do Cafezinho 301 – O coronismo
O Coronismo é, talvez, o vírus mais letal da história ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Uma história de áudio

Uma história de áudio

Chiquinho Rodrigues -

Eu fiz meu curso de cinema com o Abrão Bermam. Um cineasta que sabia tudo  dessa arte e teve nos anos 80 um programa na TV Cultura onde ele falava de Produções em Super 8.

Estou falando disso porque dias atrás eu estava revendo um documentário que  ele fez sobre antigas salas de cinema. Ele teve, há muitos anos, o saco de  filmar quase todas as fachadas antigas de cinema do centro e de alguns  bairros de São Paulo… na época em que ir ao cinema era um evento… pura  magia!

Na segunda parte do documentário, ele mostra então no que se transformaram  todas essas salas onde a gente passou boa parte da nossa infância sonhando.  Cinemas que viraram estacionamentos com carros quase empilhados, mercados  enormes, igrejas do Reino Universal, sacolões lotados de chuchu e outras  coisas.

O final é dramático! Uma câmera subjetiva passeia por entre corredores e  gôndolas de um enorme supermercado (onde era o antigo Cine Icaraí, na Mooca)  enquanto a gente vai ouvindo em off  a agonizante trilha original do filme  “O Vento Levou”.

Quando termina, fica aquela mesma sensação quando ouvimos alguma notícia  sobre desmatamentos e queimadas na Amazônia. A sensação ruim de que perdemos  algo irrecuperável.

A narração é feita o tempo todo por um cara chamado Celso Guizard Faria.

Conheci o Celso e muitas outras vozes: Ronaldo Batista, Guilherme  Queiroz, Ronan Junqueira, Oliveira Neto, Odair Baptista, Claudinho Branco,  Edson Mazieiro, Jorge Helal, Rosinha, Ciro Jatene, Sonia Perez, Neville Jorge e muitas outras, no Estúdio Bandeirantes.

Lembro do meu fascínio quando depois de muito tempo gravando com Ronaldo  Batista, é que eu soube que era dele a voz do “Tenente Rip Master” (sei lá  como escreve essa bosta), do seriado Rin Tin Tin. Era dele a voz que narrava  as historinhas infantis nos Disquinhos Coloridos da Continental, que eu  ouvia na minha infância, era dele também a voz do “Major Nelson”, do seriado  Viagem ao Fundo do Mar. (mesmo agora, enquanto escrevo isso aqui, ainda ouço  o barulho irritante da porra daquele sonar dentro do submarino).

Outro cara que lá eu conheci e sou fã até hoje é o Odair Baptista. O criador  e narrador oficial da saudosa “Rádio Camanducaia”.

Sabe… Ele passava horas olhando para um mapa do estado de São Paulo, que a  gente tinha pendurado em uma parede lá no Estúdio Bandeirantes, criando  pérolas como: “Falamos diretamente da Rádio Enchente de Tiete, juntamente  com nossas coirmãs, Rádio Fronha de Lençóis Paulista e Rádio Petit de Poá”  (só quem conhece o Odair, é que sabe do que estou falando).

Nesse Estúdio passou muita gente boa. Atores, cantores, músicos, publicitários, maestros, bicos e centenas de colaboradores.

O principal articulador e aglutinador de tudo isso é um cara que hoje é meu  amigo, meu sócio, meu irmão e quase o tempo todo meu pai. Cláudio Durante.

Passamos mais de vinte anos naquela casa.

Rua Cunha Gago, 463 – Pinheiros.

Época de ouro do Áudio. Anos Dourados dos jingles e das trilhas sonoras. Um  lugar que, por muitos anos, foi de todos os sons, de todos os tons, de todos  os climas… de altos e baixos, de muita grana, de pouca grana, de muita  amizade, de muita briga mas, sobretudo, de muita magia.

Mas um dia, depois de muitos anos e num Brasil de incertezas como o  nosso, a gente teve que deixar aquela casa. Um dia triste numa trajetória  cheia de alegrias.

Mudar e se adaptar a uma nova estrutura não foi tão difícil assim. Duro foi  voltar depois de alguns meses e ver demolida pela metade a casa da Cunha Gago, onde durante anos havia sido o Estúdio Bandeirantes.

Parei em frente e fiquei olhando. A casa não tinha mais telhado e algumas  paredes da frente já estavam derrubadas.

Lá de fora a gente podia ver ainda alguns pedaços de Eucatex que forravam as  paredes do estúdio de gravação.

Paredes que, se tivessem voz, contariam pra gente do dia em que Adoniram  Barbosa esteve lá e gravou um spot premiado com o Clio Awards. Contariam  todas as piadas que o Guilherme Queiroz contou pra gente. Contariam das  vezes em que lá estiveram Lima Duarte, Rolando Boldrim, Luis Armando  Queiroz, as irmãs cantoras Sarah e Ângela, os cantores Paulinho Baiano,  Ringo e Nico Rezende, os publicitários Cacau, Zeca dAbril, Orlando  Marques, Adilson da Open, Fazzio, Ciça, Léo Togashi, Macedônia e Manoel  Choofi, Os arranjadores…
Mauro Georgetti, Will Coks e Edgard Poças, os  técnicos Davi, Miro e Janjão, e também…
Chico batera, Cris, Delmo, Rui,  João Luis, Percy, Lázaro, Leandro, Aurélio, Akamatu, Freitas, João  fotógrafo, Caetano Zama… E por aí vai.

Tenho certeza de que se eu conseguisse encostar o ouvido bem perto dessas  paredes quase destruídas, eu ouviria ainda trechos de jingles infantis  cantados pelo Seltom Melo e o irmão (os dois entre 11 e 12 anos na época).  Ouviria também coisas das Lojas Abaeté…
Tatuzinho… Velho Barreiro…  Kitchens… Tecelagem Cinerama… Cultura Inglesa… Le Postiche… Shampoo  Karina… O Chico Baiano afinando a bateria, o Lázaro tocando piano, e o  Cláudio e o Davi mixando um áudio.

Fiquei torcendo pra que meus amigos David e Miro, que foram técnicos desse  estúdio, não vissem aquilo assim desse jeito. Rezando pra que o Cláudio e a  Beth (que fora  sua secretária), passassem a quilômetros de distância dali  nessa hora.

Ontem, uma vez mais, eu passei de carro ali em frente.

Não resisti e parei.

Sabe cara… Transformaram aquilo tudo num imenso e triste estacionamento.  Lembrei então do documentário sobre as salas de cinema e me perguntei se  estamos fadados a todos nossos sonhos se transformarem em horríveis e frios  estacionamentos.

Parado mais uma vez ali, e lembrando de todas as coisas que vivemos nesse  estúdio, (juro que eu ouvi o som da gente gargalhando das piadas do  Guilherme Queiroz), eu pensei que fosse chorar.

Mas em vez disso, dei partida no carro, engatei a primeira e fui devagarinho  até o semáforo. E quando ele abriu, eu entrei pela última vez à esquerda  na Cardeal Arcoverde.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues