Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo

645 – O Brasil e a demanda por dar certo

Luciano Pires -
Download do Programa

E aí? Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando para mais uma grande brochada, hein? Há motivos para ficar otimista? Ou melhor mesmo é continuar pessimista? Afinal de contas, ser pessimista é ser mais inteligente, hein?

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Antes de começar o show, um recado: preparamos um resumo do roteiro deste programa com as principais ideias apresentadas para complementar aquelas reflexões que o Café Brasil provoca. Baixe gratuitamente em portalcafebrasil.com.br/645.

E quem vai levar o e-book Me engana que eu gosto é a Rui lá de Londrina…

“Saudações, Luciano Pires e equipe que prepara esse Cafezinho maravilhoso. Esse Cafezinho que eu costumo dizer que é uma overdose intelectual. Uma overdose de conhecimento. Eu sou Rui Giraldis de Londrina no Paraná. 

Luciano: eu acabo de ouvir o programa sobre as janelas quebradas.eu confesso que eu já tinha lido um livro sobre essa teoria há algum tempo atrás. Só que hoje,  coincidentemente, eu acabei tomando uma atitude na tentativa de combater os efeitos nocivos que essa teoria produze acabei mudando um pouco, digamos, acabei fazendo uma adaptação e a transformei na teoria do banheiro mijado. 

Como é que funciona? Eu sou servidor público e realmente, eu te conto que sofro bastante ao perceber que, como você deixa bem claro no programa, o que é público não é de ninguém. Tem também aquela história do funcionário que precisa tomar alguma atitude ou fazer algum trabalho e diz: isso não é da minha responsabilidade. Tem que passar isso pro fulano, pro ciclano, que normalmente é o chefe ou, na pior, o chefe do chefe. E assim as coisas vão piorando e de deteriorando. 

Mas aí, o que é que aconteceu hoje? Eu fui ao banheiro da repartição pública ali onde eu trabalho e deparei com aquela cena que já é de costume. O chão, que no começo do expediente, menos de trinta minutos antes, estava limpinho e cheiroso, já estava todinho mijado e sujo, com pegadas alaranjadas e marrom terra por todo lado. 

Daí, de imediato pensei: preciso dar um jeito de mudar essa situação. Então eu chamei as meninas responsáveis pela limpeza da agência e pedi a elas que, por favor, pelo menos de hora em hora passassem pra conferir se alguém não tinha errado a pontaria e o banheiro não estava com xixi empoçado. Porque,  se tivesse com o menos sinal de xixi respingado no chão,  os usuários, em geral, parece que ao ver os respingos de urina já devem pensar: isso aqui é público mesmo e eu estou aqui faz mais de hora e ainda não consegui o que preciso,  então vou mais é mijar no chão mesmo. Daí, pra evitar que a minha teoria do banheiro mijado entre em ação, através da tendência natural do ser humano de piorar  aquilo que já está ruim, pedi que elas procurassem manter  o banheiro limpo ao longo do dia. 

Eu estou achando que com o reforço da teoria das janelas quebradas que o Café Brasil, brilhantemente, nos trouxe, a teoria do banheiro mijado não vai prosperar dessa vez. 

É isso aí, Luciano. Forte abraço.”

Rararara… a Teoria do Banheiro Mijado, cara! Genial!  Meu caro, você fala da responsabilidade de cada um não só por seus atos, mas pelas áreas de convivência. Por sua casa, seu local de trabalho, a praça, a cidade, o estado, o país… e é aí que a encrenca aparece, não é? Tem gente que não tem responsabilidade e que não respeita. Já que tá tudo ruim, porque eu é que vou melhorar, hein? Bom, é isso que eu torço para que esteja mudando. E essa tua teoria aí é o máximo! E é sobre isso o programa de hoje. Obrigado Rui pelo comentário. 

Muito bem. O Rui receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculinos.

Você já sabe que grande parte dos resultados da DKT é revertida para ações sociais de combate às doenças sexualmente transmissíveis e ao controle da natalidade. Agora estamos fazendo mais. Para cada produto PRUDENCE que você adquirir a DKT doará um produto igual para uma das organizações sociais com as quais ela mantém acordos. Você faz assim, ó: manda uma foto com os produtos que você adquiriu, para nosso Whatsapp: 11 96429 4746. É claro: produtos PRUDENCE, evidentemente. E aguarde uma resposta com informações sobre a entrega dos produtos. Cada vez que você comprar um Prudence, estará contribuindo ainda mais para salvar vidas. facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então!

Lalá, quero ver você otimista. Na hora do amor, você usa o quê?

Lalá: Ah, uns oito Prudences…

Luciano – (gargalhada!!!)

Lalá – Ué…..

Hora da nossa “Netflix do Conhecimento”, o Café Brasil Premium que continua na missão de ajudar as pessoas a ampliar seus repertórios e refinar sua capacidade de julgamento e tomada de decisão. Sabe como? Oferendo conteúdo de alta qualidade, numa espécie de MLA – Master Life Administration. Olha só: é só acessar cafedegraca.com e você poderá experimentar o Premium por um mês, sem pagar.

De novo: cafedegraca.com.

Faça uma degustação do cafebrasilpremium.com.br.

Conteúdo extra-forte.

Abro o programa com um trecho de um texto de meu amigo Adalberto Piotto, sempre preciso em suas reflexões sobre o Brasil. O texto foi publicado em sua página do Facebook. Ele diz assim: 

O Brasil tem demanda reprimida por dar certo.

E logo!

É isso.

(…)

O termo ‘demanda reprimida’ se popularizou nos anos 80, de hiperinflação, para definir o histórico consumo menor dos brasileiros, dado o baixo poder aquisitivo, se comparado ao de outros países que viviam sob uma economia estável.

Ou seja, no estado de “demanda reprimida”, há vontade de comprar, mas não há dinheiro.

(…) nós, os brasileiros, estamos envoltos no momento em um desejo imenso de fazer o país avançar, parar de andar de lado, não sucumbir mais ao atraso e a ineficiência dos voos de galinha ou a debates comportamentais que se esquecem de fazer o bolo de todos crescer.

Um artista que vive bem do capitalismo numa grande empresa capitalista de comunicação, fazendo discursos que o mantém onde está e não ajuda o seu público a sair de onde este público quer sair, evoluir, já está sendo criticado como nunca foi, numa queda da máscara inevitável.

Milton Nascimento diz em sua música que o artista tem de ir aonde o povo está. E não é ao lado de corruptos, de ideologias ultrapassadas que não promovem bem-estar autônomo e sustentável de quem vive a vida real.

Por isso tudo, creio que o debate nacional, no jornalismo e também nas conversas paralelas da vida de cada um, precisa se ajustar a esse momento, coletivo consciente pra muitos e inconsciente pra tantos outros, sob o risco de o interlocutor perder a importância.

Isto, por exemplo, não diminui a crítica sobre o novo governo, mas tende a qualificá-la.

Com a oposição diminuída pela sua desastrosa época de governo, o debate que os cidadãos vão esperar – e protagonizar – não será mais do “Fora, fulano”, meramente ideológico ou amargurado, magoado, perdedor.

O debate passará pela forma, conteúdo e percentual de eficiência de cada decisão governamental que, se não for do agrado do crítico, obrigará este a apontar alternativas factíveis, sem a embromação que a pedra dá em relação à vidraça, coisa que muitas “fontes” se acostumaram.

Tempos outros, meus caros. O da honestidade intelectual.

Tempos alvissareiros de uma sociedade que começa a aceitar a parte errática de seu passado como antídoto para um futuro de inovações e avanços como nação.

O futuro é uma incerteza
Itapuã

Meu amigo, não perguntes
O motivo da minha tristeza
Pois no mundo em que vivemos
O futuro é uma incerteza

Se sorrimos, se contamos
Se nós formos felizes demais
Amanhã talvez tudo se acabe
E o ontem não volta jamais

Quem já foi amado igual eu fui
Quem amou na vida o quanto amei
Quem perdeu pra sempre o seu amor
Vai chorar o quanto eu chorei

Opaaaaa!!!! Zezé di Camargo e Luciano com o clássico O FUTURO É UMA INCERTEZA, de Itapuã, que eles gravaram em 1997. Cara, eu sempre fico fascinado com esses duetos de vozes do sertanejo. A gente vê o meu xará Luciano ali meio paradão e se pergunta o que é que ele faz. Quer ouvir? Tire o fone do ouvido esquerdo…

Ouviu a segunda voz? Pois é… é isso que o Luciano faz… Pode  botar o fone esquerdo de novo.

Bem, meu amigo Adalberto Piotto é um irremediável otimista, cara. E tem de ser, aliás, todos temos de ser otimistas. Se não por ingenuidade ou por uma visão de mundo idílica, que seja por inteligência. Há muito foi provado que quem tem uma visão otimista do futuro, vive melhor. É menos amargo. E de gente amarga, to porrrrraqui…

Mas há controvérsias…

É muito difícil você viver uma vida sendo pessimista o tempo inteiro, né? É alguma coisa como… falta um certo oxigênio simbólico, né? O sentimento de que há esperança é uma coisa essencial pros seres humanos. Tanto é que quando você sente que não tem esperança nenhuma pra sua vida,  você fica… sei lá,  na linguagem de hoje em dia, deprimido. Você se sente incapaz.

Ao mesmo tempo, essa questão que você pode falar no sentido pessoal, né? Ser alegre, ser triste, alguma coisa assim, que claro, não é a mesma coisa que depressão, você também tem um sentido mais largo. Por exemplo: quando você pega a origem do cristianismo, na origem do cristianismo os cristãos tiveram que resolver um problema no seu processo de constituição. Eles iam aceitar o judaísmo como sua origem. Se não aceitassem não teriam como fazer de Jesus o Messias, né? Porque isso era uma coisa que vinha do judaísmo. 

E aceitar ou não… teve um grupo de cristãos que não aceitou isso. Não vou entrar no mérito técnico, porque é uma discussão muito longa no mundo da história das religiões, mas esse grupo ficou conhecido no mundo acadêmico como gnósticos. E esses gnósticos afirmavam que o mundo tinha sido criado por um Deus mau. Ou um Deus… no mínimo incompetente, maluco, desequilibrado, se não mau mesmo.

Esses cristãos desapareceram, né? Os cátaros  na Idade Média replicavam um pouco esse modelo, mas o cristianismo oficial venceu a versão judaica de que Deus é bom. Apesar de que, às vezes, a gente fica na dúvida, mas né? O estado do mundo é tal, como é que Deus pode ser bom? Na realidade os gnósticos chegavam à conclusão que quem criou o mundo não era bom, justamente pelo estado do mundo.

Então, aí vem a primeira grande intuição do pessimismo, né? E olha, o pessimismo tem, sem dúvida nenhuma, uma prevalência na história do pensamento. Estou usando o termo de forma um pouco solta, mas a gente se entende, assim. Depois eu vou citar uns pouco exemplos. O pessimismo tem prevalência. Às vezes os alunos de graduação perguntam pra mim assim, pra outros colegas: afinal de contas porque vocês professores ficam falando de uns caras que dizem que tudo vai dar errado, que está ruim, que não tá certo, né? Não existiu ninguém na história da filosofia ou do pensamento ocidental que fosse otimista?

Claro que existiu. Platão era um otimista, em grande parte, né? Claro que existiu. Mas, o que a gente percebe, que você tem uma… a filosofia grega ela é… filosofia grega quando eu digo Platão, Aristóteles, Sócrates, eles representam muito uma reação a uma visão de mundo religiosa grega trágica, essa terrivelmente pessimista, o que significa: significa que o homem é um animal que vai ser sacrificado no altar do sacrifício, o destino dele está na mão das moiras, que são meio cegas, os deuses brincam com a gente, ou seja, no mundo trágico, não adianta você esperar nenhum tipo de evolução no sentido de que o mundo foi criado pra que a gente avançasse de alguma forma.

E a filosofia Sócrates, Platão, Aristóteles significa um investimento na ideia de autonomia do ser humano. Sem dúvida. E essa é uma palavra que a gente pode, às vezes, arrolar  no campo  do otimismo: a ideia de autonomia do ser humano. O problema é que à medida que a historia vai avançando, né? Quando a gente chega na modernidade, onde você tem todo um campo de autonomia do ser humano, essa autonomia começa a criar problemas.  Então, a autonomia, pra alguns, não existe, pra outros ela é em si a causa de uma série de problemas e aí, a ideia de autonomia como a capacidade do ser humano,  no sentido clássico, orientar a vontade a partir do intelecto, ou seja, não ter uma vontade maluca, tarada, desequilibrada, essa ideia ela acaba ganhando contorno um tanto sombrio na medida em que a historia ocidental vai avançando, né?

Mas, ainda assim, é razoável dizer que a autonomia… authós, eu mesmo, si mesmo, nomos, regra, norma… então, quer dizer, eu sou eu mesmo o princípio daquilo que normatiza minha vida, daí a ideia de autonomia, né? Em oposição a heteronomia, quando o princípio regulador vem de fora e daí, mais ou menos a ideia de que você não age a partir de si mesmo mas age a partir de um constrangimento exterior, é claro que, na realidade, essas duas coisas se misturam, mas o horizonte grego importante era porque no mundo trágico, o ser humano não tinha autonomia. 

Então, essa é uma marca que eu acho que até hoje, ainda que com certos matizes, a ideia de autonomia é importante. Quando o cristianismo entra em jogo na filosofia, o cristianismo, apesar dele superar o trauma gnóstico, ele vai ser obcecado pela ideia de mau, a ideia de pecado. E aí o cristianismo traz uma dupla face sem entrar no mérito do parentesco dele com outras formas de religião onde essa dupla face aparece de certa forma, mas o cristianismo traz uma dupla face muito importante que é o seguinte: de um lado a ideia de que Deus é bom, Jesus é legal, no final vai dar certo, mas que agora tá ruim e tá ruim, inclusive porque a gente, dentro de nós mesmos, a gente está mal. A gente é egoísta, é vaidoso, é interesseiro, é invejoso, né? Colérico. E orgulhoso, quer dizer, o cristianismo,  em termos de análise antropológica, ele é marcadamente pessimista no sentido de que o ser humano, em alguns momentos, em autores como Agostinho, por exemplo, na passagem do século IV pro V, você tem um nível de pessimismo muito radical, quer dizer: olha, observe o comportamento do ser humano, você vai ver que ele é incapaz de escapar do orgulho, escapar da verdade, escapar da inveja, né? Escapar da luxúria, né? Essa ideia de que você joga o objeto de desejo sexual na frente do ser humano e ele sai correndo atrás feito doido e perde o controle de si mesmo. Quer dizer, o cristianismo traz uma marca de pessimismo no que a gente chama de natureza humana.

E aí, a discussão fica…precisa de Deus ajudar, não precisa, a gente consegue sair do buraco sozinho, ou não, os cristãos eles discutem isso desde o começo do cristianismo, ao longo de toda a idade média, chegando ao renascimento. Até o século XVII na França, você tem essa discussão de modo muito acirrado, que é uma discussão que acaba trazendo o horizonte propriamente mais moderno que é o que me interessa aqui, contemporâneo, do tema do otimismo e do pessimismo e dessa tentativa de dizer: afinal de contas, seria o pessimismo mais inteligente?

Você ouviu um trechinho de uma palestra do Luiz Felipe Pondé. Seria o pessimismo mais inteligente? Vamos publicar o link para a palestra completa no roteiro deste programa no Portal Café Brasil. Coloquei esse trecho aqui para enfatizar essa ligação entre o otimismo e a ideia de autonomia, que me é tão cara.

O otimismo não é definido apenas pela expectativa de que as coisas vão melhorar. Nem o pessimismo é apenas a expectativa de que vão piorar. Usamos ambos os termos para descrever a forma como pensamos as causas das adversidades. O pessimismo, por exemplo, faz com que nos sintamos impotentes diante das causas das adversidades.

– Meu, vai dar merda…

Com o pessimismo, atribuímos as adversidades à três forças. A interna, aquela que diz que é tudo minha culpa; a universal, a que diz que isso afeta absolutamente tudo e todos; e a imutável, que diz que não tem como mudar o destino. E aí fica aquela coisa da síndrome de Gabriela, você lembra, hein?

Falhei porque não tenho talento, não tenho jeito, não sou criativo… Eu nasci assim, eu sou sempre assim…

Mas se começarmos a pensar que falhamos porque não estudamos o suficiente, não desenvolvemos nossas habilidades tanto quanto necessário, a coisa muda de figura. Surge a esperança de que podemos sim mudar.

Em minha palestra GERAÇÃO T, logo no final, mostro uma tela onde digo assim, olha: se você por acaso se acha considera estúpido, não perca as esperanças. Você não é estúpido. Você está estúpido. Estar é uma condição e portanto, pode ser mudada.

Há muito tempo somos convencidos, nós, brasileiros, de que somos incapazes. Que precisamos de alguém para nos orientar, disciplinar. Para cuidar de nós. E assim tivemos paizões e mãezonas, que tinham as soluções para tudo. E chegamos onde chegamos. Mas agora despertamos. Nos enchemos do cativeiro. Queremos explorar novas possibilidades. Sair do coitadismo, da revolta sem sentido contra os ricos exploradores, tirar a mente para fora do cenário de confronto, de vingança , no qual fomos jogados. Mas a turma dos histéricos se nega a permitir que tentemos uma nova solução. Que comecemos a tomar as rédeas em nossas mãos.

Ferreira Gullar uma vez disse que “Você tem de ter uma visão crítica das coisas, não pode ficar eternamente se deixando levar por revolta, por ressentimentos. A melhor coisa para o inimigo é o outro perder a cabeça. Lutar contra quem está lúcido é mais difícil do que lutar contra um desvairado.”

É isso. Piotto e o Gullar tratam do mesmo tema: estamos recuperando a lucidez. Percebemos as mentiras, os engodos, as manipulações. E só isso já nos dá uma centelha de esperança. Uma razão para o otimismo.

Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão burro e talvez até mais prejudicial que o pessimismo cego. É para perceber quais causas dos eventos negativos estão sob nosso controle. Sobre quais delas podemos influir?

Já fizemos isso com voto. Já fizemos isso com pressão popular. Já fizemos isso boicotando o que não nos serve. Agora é seguir adiante. Como diz o Piotto, não é mais hora do “Fora, fulano”, meramente ideológico ou amargurado, magoado, perdedor.

É hora de discutir a ideia de autonomia.

Vamos nessa?

 

Você vai estar na minha
Negra Li

Aaaaaaaah!
Uh! Uh! Uh! Uh!
Esse cara!
Quem é esse homem
Que me consome
Nem sei seu nome
Ou número do telefone
Meu mundo pára
Toda vez que ele passa
Eu perco a fala
Mas no fundo eu acho graça…

O suor corre frio
Eu sinto um arrepio
O coração disparou
Segundo vai a mil
Falo e não me calo
Faço bem-me-quer
Eu jogo a moeda
E seja o que Deus quiser…

Um dia eu vou estar à tôa
E você vai estar na mira
Eu sei que você sabe
Que eu sei que você sabe
Que é difícil de dizer…

O meu coração é um
Músculo involuntário
E ele pulsa por você
Um dia eu vou estar contigo
E você vai estar na minha…

Aaaaah!
Esse cara, hum!
Que me consome
Nem sei seu nome
Ou número do telefone
Por ele me desfaço
Não disfarço, não me acho
Eu não sou super-mulher
Nem fui feita de aço…

O suor corre frio
Eu sinto um arrepio
O coração disparou
Segundo vai a mil
Falo e não me calo
Faço bem-me-quer
Eu jogo a moeda
E seja o que Deus quiser…

Um dia eu vou estar à tôa
E você vai estar na mira
Eu sei que você sabe
Que eu sei que você sabe
Que é difícil de dizer…

O meu coração é um
Músculo involuntário
E ele pulsa por você
Um dia eu vou estar contigo
E você vai estar na minha…

Que nego é esse?
Que despertou meu interesse
Que nego é esse?
Que eu tô ganhando
A vários meses
Que nego é esse?
Não marco toca, não dô blefe
Que nego é esse?
Te pego qualquer dia desses…

Um deus de ébano, Oh!
Sua ginga é o melhor
Ah! Ah!
E eu me sinto tão só
Desafio a gravidade
O mundo gira, gira à tôa
Na certeza que um dia
Ficaremos numa boa
Eu sei!…

Um dia eu vou estar à tôa
E você vai estar na mira
Eu sei que você sabe
Que eu sei que você sabe
Que é difícil de dizer…

O meu coração é um
Músculo involuntário
E ele pulsa por você
Um dia eu vou estar contigo
E você vai estar na minha…

Se for atração
Eu não sei não!
E se for paixão
Eu não sei não!
Se for do coração
Eu não sei não!
Eu tô que tô
Tomada pela emoção…

O suor corre frio
Eu sinto um arrepio
O coração disparou
Segundo vai a mil
Falo e não me calo
Faço bem-me-quer
Eu jogo a moeda
E seja o que Deus quiser…

Um dia eu vou estar à tôa
E você vai estar na mira
Eu sei que você sabe
Que eu sei que você sabe
Que é difícil de dizer…

O meu coração é um
Músculo involuntário
E ele pulsa por você
Um dia eu vou estar contigo
E você vai estar na minha…

Uau! Negra Li com Você vai estar na minha, que mistura rap com hip hop e funk e aproveita um trecho de Na mira, de Marisa Monte, que a gente segue para o final deste programa, assim no embalo…

Com o otimista Lalá Moreira na técnica, a desconfiada Ciça Camargo na produção e eu, um guerreiro pela autonomia, Luciano Pires na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Rui, Adalberto Piotto, Luiz Felipe Pondé, Zezé di Camargo e Luciano, Gal Costa e a Negra Li.

Este é o Café Brasil. De onde veio este programa tem muito mais, especialmente para quem assina o cafebrasilpremium.com.br.

Gostou do conteúdo do Café Brasil? Já pensou ele ao vivo em sua empresa? Então acesse lucianopires.com.br e conheça minhas palestras. Quem assiste, eu garanto, não esquece!

Para o resumo deste programa, acesse portalcafebrasil.com.br/645.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Pra terminar, uma frase de Johann Goethe:

Só é digno da liberdade, como da vida, aquele que se empenha em conquistá-la.